LPF auxiliando na sua gestação

DOR LOMBAR NA GESTAÇÃO

Sentir dores lombares e pélvicas durante a gravidez é tão comum que se tornou normal, no sentido de aceitar sem questionamentos. No entanto, a dor nunca deve ser percebida como uma condição normal de uma nova fase da vida. Até 67% das mulheres relatam dor lombar durante a segunda metade da gravidez e até 70% das mulheres sofrem de dor pélvica no final da gravidez. Embora a dor pélvica e a lombar possam ocorrer separadamente, muitas mulheres apresentam as duas coisas e podem se tornar incapacitantes, afetando gravemente a qualidade de vida. A origem dessa dor está ligada a uma grande variedade de fatores anatômicos, fisiológicos e mecânicos que ocorrem durante a gravidez. Acredita-se que essas mudanças afetem a biomecânica da pelve e da coluna, contribuindo para a dor na gravidez e durando até o pós-parto. Neste artigo, comentaremos as principais causas atribuídas ao aparecimento da dor lombo-pélvica durante a gravidez e o que a literatura aponta como mais eficaz para combatê-la. Mudanças Posturais As mudanças posturais ao longo dos nove meses de gravidez são muito significativas. Principalmente, são caracterizados por um aumento da lordose lombar, ou seja, ocorre uma hiperlordose lombar. A curvatura lombar excessiva cria maior estresse nos músculos desta região. Além disso, a maior parte do peso ganho durante a gravidez concentra-se na parte inferior da pelve. O corpo tende a compensar o aumento do volume abdominal anterior inclinando a pelve, ou seja, aumentando a lordose lombar para restaurar o centro de gravidade anterior. Volume total de água corporal A quantidade de água corporal aumenta cerca de 8,5kg em grau semelhante tanto em mulheres nulíparas (que nunca tiveram filhos) quanto em mulheres multíparas (com vários filhos anteriores). Esse aumento de volume, principalmente no tecido conjuntivo da coluna e da pelve, aumenta a flacidez das articulações e aumenta a possibilidade de dor local. Alterações Endócrinas O efeito do aumento de volume é reforçado pelas alterações hormonais produzidas durante a gravidez. Especificamente, o aumento do hormônio relaxina, que produz um aumento significativo na frouxidão da articulação sacroilíaca e da sínfise púbica. Essa frouxidão articular, essencial para acomodar o feto em crescimento e facilitar o parto, pode, às vezes, causar inflamação e um aumento excessivo da amplitude de movimento e, conseqüentemente, produzir dor lombo-pélvica. Os níveis séricos de hormônio reprodutivo e procolágeno também foram associados ao aparecimento de dor lombar durante a última semana do período de gravidez. Mudanças vasculares Segundo a literatura especializada, a congestão do sistema venoso também é outro fator que pode favorecer o aparecimento de dores lombares e pélvicas. Além disso, outros fatores devem ser levados em consideração no desenvolvimento de dor lombo-pélvica inespecífica durante a gravidez:

  • Ter sofrido previamente dor pélvica ou lombar;

  • Traumas ou patologias prévias;

  • O aumento excessivo de peso durante a gravidez;

  • O relaxamento dos músculos abdominais e diástase abdominal;

  • Fraqueza muscular do glúteo; (ele está relacionado com a saúde do assoalho pélvico e a funcionalidade da coluna, já que os glúteos trabalham de forma sinérgica com os músculos abdominais e ajudam na estabilização lombo – pélvica );

  • Estilo de vida sedentário.

Como posso aliviar a dor pélvica e lombar durante a gravidez? Terapias como acupuntura (Foster et al., 2016) e multimodais (exercícios combinados com educação e tratamento manual) têm se mostrado tratamentos eficazes na abordagem da dor lombar durante a gravidez (Gallo-Padilla, 2016). No entanto, a última revisão sistemática da Cochrane (Liddle & Pennick, 2015) conclui que a evidência científica de que o exercício é eficaz na redução da dor lombar relacionada à gravidez ainda é de baixa evidência. Isso significa que mais estudos devem ser feitos para confirmar que o exercício físico por si só pode ser um aliado crucial no combate à dor durante a gravidez. Um estudo envolvendo mulheres com dor pélvica e lombar durante a gravidez de diferentes países, como Estados Unidos, Reino Unido, Noruega e Suécia, detalha que a maioria das mulheres que receberam tratamento encontrou melhorias (Gutke et al., 2018). Portanto, tratar-se é muito melhor do que não tratar. Muitas mulheres que sentem dor durante a gravidez, supondo que seja “normal”, não consultam um especialista, limitando as possibilidades de melhorias e opções de tratamento. Além disso, algumas pessoas acreditam que o repouso completo para se recuperar das dores nas costas ou pélvicas é o melhor remédio. É o oposto! O repouso prolongado na cama promove ganho de peso, o que deteriora ainda mais a condição física, a falta de vascularização e outros fatores de risco relacionados à dor pélvica ou lombar. Sabemos que o exercício físico é o melhor medicamento preventivo que temos e a primeira recomendação de tratamento conservador da comunidade médica para reduzir a dor lombar em geral e durante a gravidez especificamente. Veja neste artigo a preciosa importância de se fazer exercícios para um parto melhor. Participar de um programa de exercícios regulares em geral e especificamente de programas de treinamento postural e hipopressivo, como o Low Pressure Fitness, pode ser visto como uma opção adequada para começar a cuidar de si mesma antes da gravidez. Neste sentido, um estudo recente descobriu que um programa combinado de terapia miofascial e exercícios hipopressivos foi eficaz na redução da dor lombar (Bellido et al., 2018). Portanto, a combinação de terapia passiva (massagem por exemplo) e terapia ativa (exercícios) é considerada uma opção vencedora. E caso tenha diástase, veja este outro artigo com um estudo revelador. O caso de Ana Belén serve de exemplo de treino Low Pressure Fitness antes da gravidez. Ana Belén tornou-se treinadora do LPF entre a segunda e a terceira gravidez. Ela treinava LPF quase diariamente quando recebeu a ótima notícia de que seu terceiro filho estava a caminho. Ana diz que das três gestações, “a última foi sem dúvidas a que tive menos dores lombo-pélvicas e fiquei em melhor condição física”. A única coisa que ela mudou em relação a gestações anteriores foi sua rotina de treinamento LPF que a ajudou a manter os princípios posturais e respiratórios aprendidos durante a gravidez. Nas imagens, Ana Belén está no sexto mês de gravidez e podemos observar seu excelente estado postural. Segundo Ana Belén, “a boa postura e controle das pressões já faz automaticamente” e “tenho sentido o core (toda a faixa abdominal) consciente e ativo até o último dia”. E também temos a nossa embaixadora LPF aqui no Brasil, Carol Lemes, que também serve de exemplo de eficácia do LPF durante a gestação. “Ministrei 27 cursos grávida de Isabela e nunca senti nenhum desconforto pélvico ou na lombar . Passava 15 horas em pé e no final dos cursos me sentia super disposta , inclusive no último que ministrei com 38 semanas de gestação. Tenho certeza que o treinamento postural e respiratório do LPF que favorece a manutenção do tônus dos músculos abdominais e do períneo contribuiu para uma gestação tranquila e uma recuperação pós – parto muito mais rápida e sem sofrimento . Recomendo LPF antes, durante e no pós -parto” Evidências científicas atuais concluem que a abordagem da dor lombar durante a gravidez deve ter uma abordagem multidisciplinar e se deve incluir medidas preventivas como reeducação postural adequada (Gallo-Padilla et al., 2016). Lembre-se de que para o tratamento e abordagem da dor lombo-pélvica é essencial ir ao seu fisioterapeuta de confiança e a melhor maneira de iniciar um programa de exercícios físicos é com a ajuda de um profissional da ciências do exercício. Para encontrar um profissional de alto nível, certificado LPF e próximo a você, clique aqui e siga os passos na tela. Até o próximo artigo! Agradecimento *Agradecemos a embaixadora LPF Brasil, Carol Lemes e a Ana Belén, diretora do Be Postural e LPF-Coach, pela colaboração na entrevista do artigo e das fotos. Referências Foster NE, Bispo A, Bartlam B, Ogollah R, Barlas P, Holden M, Ismail K, Jowett S, Kettle C, Kigozi J, Lewis M, Lloyd A, Waterfield J, Young J. Avaliando acupuntura e atendimento padrão para mulheres grávidas com dor nas costas (EASE Back): um estudo de viabilidade e ensaio piloto randomizado. Health Technol Assess. 20 (33): 1-236, 2016. Gallo-Padilla D, Gallo-Padilla C, Gallo-Vallejo FJ, Gallo-Vallejo JL. Dor lombar durante a gravidez. Abordagem multidisciplinar. Semergen, 42 (6): 59-64. 2016 Gutke A, Boissonnault J, Brook G, Stuge B. A gravidade e impacto da dor na cintura pélvica e dor lombar na gravidez: um estudo multinacional. J Womens Health (Larchmt) 27 (4): 510-517, 2018. Liddle SD, Pennick V. Intervenções para prevenir e tratar a dor lombar e pélvica durante a gravidez. Cochrane Database Syst Rev. 2015, 30 (9): CD001139.


Post: www.lpfbrasil.com.br

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo