LOW PRESSURE FITNESS, PILATES E IOGA. CONCORRENTES OU COMPLEMENTARES?

Em sua primeira Lei da Termodinâmica, Antoine Lavoisier (1743-1794) disse que a matéria não pode ser criada nem destruída, ela é apenas transformada. Quando uma lei geral é devidamente declarada, ela também se aplica à específica. No nosso caso, estamos falando de exercícios físicos e recuperação, onde essa regra certamente se aplica. Afinal, cada nova abordagem surge do que nossos antepassados ​​disseram antes, e no mundo acelerado de hoje, fusão é a palavra da moda para qualquer disciplina.

No artigo de hoje, entenderemos como o Low Pressure Fitness (LPF) se conecta ao Yoga e Pilates. Muitas pessoas praticam os três ou apenas dois em um combo de treinamento, dependendo da sua disponibilidade de horário. As três disciplinas têm semelhanças e diferenças de abordagem, foco e estilo.

Séculos depois de ter sido desenvolvido pela primeira vez, o Yoga ainda é um método de treinamento holístico relevante e, após seu advento nos anos 50, o mesmo pode ser dito do Pilates. Desenvolvido mais recentemente, o Low Pressure Fitness é uma excelente abordagem que engloba exercícios para o core e bem-estar, com objetivos e características particulares.

Ioga, Pilates e Low Pressure Fitness compartilham um objetivo comum, que pode ser amplamente definido como a recuperação do controle do corpo por meio da consciência. Eles priorizam o alinhamento corporal, respiração e aptidão postural. Alinhar a coluna vertebral, engajar o core, inspirar e expirar controladamente são práticas clássicas que encontraremos nas três disciplinas. O Low Pressure Fitness é um programa de treinamento com visão eclética, decorrente em parte do Yoga e que foi desenvolvido algumas décadas após o Pilates.

A principal diferença entre Yoga, Pilates e Low Pressure Fitness é o componente espiritual do Yoga, que os outros dois não possuem. A ioga é geralmente mais estática do que o Pilates e o LPF. As posturas de ioga ou assanas são realizadas o máximo possível, exceto o movimento contínuo de vinyasa, uma sequência de fluxo contínuo que conecta várias posturas, como a saudação ao sol (surianamaskara).

Os exercícios de Pilates geralmente são feitos em uma ordem específica, um após o outro, e como o Yoga, têm nomes “sugestivos” para identificá-los, como o cisne, o canivete ou o cruzado. Eles parecem ser simples, mas requerem precisão e força. Bastante ênfase é colocada na técnica.

A conexão entre Low Pressure Fitness e Pilates é óbvia, uma vez que ambos visam um melhor gerenciamento da pressão intra-abdominal. Pesquisas científicas também mostram que um dos benefícios comuns do LPF e do Pilates é o aumento da flexibilidade.

Tanto o Pilates quanto o LPF consideram a consciência corporal local. O Pilates se concentrará em áreas específicas do corpo, especialmente a contração voluntária dos músculos centrais. O LPF também proporcionará o valor agregado de outro tipo de concentração e centralização, que é a aspiração diafragmática ( vácuo abdominal ), que ativa os músculos profundos do abdômen e assoalho pélvico.

Como o Yoga e o Pilates, LPF pertence à categoria de exercícios úteis para equilibrar as tensões miofasciais, realinhar a postura e melhorar a respiração. Os exercícios também são sequenciados dos simples aos complexos, com foco nos músculos centrais, assoalho pélvico e respiração. Os exercícios do Low Pressure Fitness incluem o mesmo perfil de pessoas e a mesma atitude focada no Yoga e no Pilates, mas com uma característica distintiva: foco permanente na diminuição da pressão na região pélvica.

O que é específico do LPF é o vácuo abdominal, que permite acessar o core miofascial. Os exercícios geralmente se concentram em trabalhar no plano sagital (lados direito ou esquerdo) do corpo. Estes são provavelmente os exercícios que proporcionam mais melhorias, mas também encontramos posturas mais avançadas visando o plano coronal e os três planos ao mesmo tempo, com torções completas da parte superior do corpo.

Ao contrário das abordagens tradicionais para exercícios abdominais e para o assoalho pélvico, que focam num segmento do core por vez, o Low Pressure Fitness requisita do core um desempenho sinérgico e como um todo.


Quais são os benefícios do Low Pressure Fitness?

Entre vários benefícios, o Low Pressure Fitness é usado por fisioterapeutas e treinadores para:

  • restauração do assoalho pélvico;

  • redução da circunferência abdominal;

  • prevenção e redução da dor nas costas;

  • melhora da respiração;

  • melhora da postura e equilíbrio.

É focado especificamente para:

  • recuperação pós-parto;

  • prevenir e tratar a incontinência urinária e prolapsos;

  • recuperação da diástase abdominal;

  • alívio de estresse.

Como funciona o Low Pressure Fitness (LPF)?

O LPF otimiza a postura corporal ajustando as conexões neuromusculares entre o sistema nervoso autônomo e as partes do corpo carentes de alinhamento e alívio. Previne a incontinência urinária restaurando o tônus ​​muscular do abdômen e do assoalho pélvico. Ele melhora os padrões de respiração ao aumentar os movimentos do tronco e do diafragma e alivia a dor nas costas, promovendo flexibilidade e uma gama mais ampla de movimentos.

O Low Pressure Fitness promove o alongamento axial e restaura a força dos músculos oblíquos e transversos abdominais.

Como há muito em comum entre os métodos LPF, Yoga e Pilates, é frequente escutarmos intermináveis discussões, na tentativa de cravar qual dos três é melhor. Sentimos que não é necessário escolher entre nenhum dos três. Uma postura abrangente nos permitirá colher os benefícios de todos eles. Apenas treine, curta ser eclético(a) e aproveite!

Até o próximo artigo!


Texto original: https://lowpressurefitness.com/en/how-can-lpf-benefit-pilates/ Autores: Hugo Loureiro Low Pressure Fitness Portugal Coach e Pilates Personal Trainer (PT Studio)

Dra. Tamara Rial Fundador e desenvolvedor de Fitness de baixa pressão.

2 visualizações0 comentário
<