7 maneiras de diagnosticar desequilíbrio de PSOAS

O psoas é o músculo mais profundo e estabilizador no corpo humano, afetando o equilíbrio estrutural, a amplitude do movimento, a mobilidade articular e o funcionamento dos órgãos do abdômen.


Talvez você já tenha escutado que ele é “o músculo da alma”. Após alguns estudos, profissionais concluíram que ele pode ser o mensageiro primário do sistema nervoso central. Por isso, também é considerado um porta-voz das emoções. Isto acontece, porque o psoas está ligado com o diafragma através da fáscia, influenciando tanto a respiração quanto o medo reflexo.

Atualmente, o estilo de vida predominante está contribuindo para um desbalanço no psoas. Doses constantes de adrenalina e cortisol em virtude do stress, somados a horas sentados numa cadeira, estão favorecendo o encurtamento do psoas. Contudo, há também pessoas com o psoas fraco ou super alongados, e isso requer habilidade do profissional para identificar caso a caso.

O músculo psoas é um flexor do quadril . Quando debilitado, pode fazer com que muitos dos músculos ao redor compensem e sejam usados em excesso. É por isso que um psoas hiperativado pode ser a causa de muitas dores, incluindo lombalgia e dor pélvica.

O psoas é vital não apenas para o bem-estar estrutural, mas também para o bem-estar psicológico, devido à conexão com a respiração.


Aqui está o porquê…

Existem dois tendões para o diafragma (chamados de crura) que se estendem para baixo e se conectam à coluna ao lado de onde o psoas se liga. Um dos ligamentos (o arqueado medial) envolve o topo de cada psoas. Além disso, os músculos diafragma e psoas são conectados através da fáscia que também conecta os outros músculos do quadril.

Essas conexões entre o músculo psoas e o diafragma conectam a capacidade de andar e respirar, e também como a pessoa responde ao medo e à ansiedade. Isso ocorre porque, quando ela está assustado ou sob estresse, o psoas se contrai.

Em outras palavras, o psoas influencia diretamente na resposta de luta ou fuga (via simpática) .

Durante períodos prolongados de estresse, o psoas é constantemente contraído. A mesma contração pode ocorrer em:

  • Longos períodos na posição sentada;

  • Corrida ou caminhada excessivas;

  • Muitos abdominais completos (saindo do chão até a posição sentada).

Todas essas atividades comprimem a frente do quadril e podem encurtar o músculo psoas. Mas isso não significa necessariamente que se deve alongar automaticamente o psoas ao sentir dor na parte frontal da articulação do quadril.

De fato, dependendo da situação, esticar o psoas pode realmente trazer mais malefícios que benefícios.


Por isso, aqui estão 7 maneiras de saber se há um desequilíbrio muscular do psoas:


1.Discrepância no comprimento da perna

Um músculo psoas encurtado pode fazer com que a pelve gire para a frente. Por sua vez, isso pode causar uma rotação interna da sua perna no lado afetado. A perna oposta girará externamente, em um esforço para contrabalancear. Isso tornará a perna afetada mais longa, de modo que toda vez que se der um passo, ela levará a perna para dentro do seu quadril. Isso pode levar a discrepância funcional no comprimento da perna.


2.Dor no joelho e lombalgia

Se seu paciente sentir dor no joelho ou na região lombar sem causa aparente, pode ser proveniente do psoas. Quando o fêmur está essencialmente bloqueado na cavidade do quadril devido ao músculo psoas encurtado, a rotação na articulação pode não ocorrer. Isso pode causar o torque no joelho e lombar.


3.Problemas posturais

Quando o psoas é muito curto ou rígido, ele pode puxar a pélvis para uma inclinação anterior, comprimindo a coluna e puxando as costas para a hiperlordose. Se o psoas estiver sobrecarregado ou fraco, poderá retificar a curvatura natural da coluna lombar, achatando-a. Esse desalinhamento é caracterizado por isquiotibiais encurtados pressionando os ossos do quadril em que sentamos sobre, o que faz com que o sacro perca sua curva natural e resulta em uma coluna lombar achatada. Isso pode levar a lesões na região lombar, principalmente nos discos intervertebrais. Também pode haver dor na frente do quadril.

Finalmente, é possível que os músculos do psoas estejam tensos e sobrecarregados. Nesse caso, a pelve é puxada para frente, deslocando a frente o seu centro de gravidade, fazendo com que suas costas se curvem (oscilação) e sua cabeça seja empurrada para frente, num movimento compensatório.


4.Intestino preso ou preguiçoso

Um músculo psoas tenso pode contribuir ou até causar constipação. Uma grande rede de nervos lombares e vasos sanguíneos passa através e ao redor dos músculos psoas. A tensão nos músculos psoas pode impedir o fluxo sanguíneo e os impulsos nervosos para os órgãos pélvicos e pernas.

Além disso, quando o psoas está encurtado, o tronco diminui, reduzindo o espaço para os órgãos internos. Isso afeta a absorção e eliminação de alimentos. Como tal, pode contribuir para a constipação, bem como a disfunção sexual.


5.Cólicas menstruais fortes

Um desequilíbrio nos músculos do psoas pode ser parcialmente responsável pelas cólicas menstruais, pois aumenta a pressão nos órgãos reprodutivos.


6.Respiração apical

Um músculo psoas apertado pode criar um impulso para a frente da caixa torácica. Isso causa uma respiração superficial e apical, que limita a quantidade de oxigênio absorvida e incentiva o uso excessivo dos músculos acessórios do pescoço.


7.Sentir-se exausto

O Psoas cria uma plataforma muscular na qual repousam seus rins e supra-renais. À medida que você respira adequadamente, o diafragma se move e os músculos do psoas massageiam suavemente esses órgãos, estimulando a circulação sanguínea. Porém, quando os músculos do psoas se desequilibram, o mesmo ocorre com os rins e as glândulas supra-renais, causando exaustão física e emocional.


De fato, de acordo com Liz Koch, autora do The Psoas Book:

“o psoas está tão intimamente envolvido em reações físicas e emocionais básicas, que um psoas cronicamente encurtado sinaliza ao seu corpo que você está em perigo, acabando por esgotar as glândulas supra-renais e esgotando o sistema imunológico.”

Sabendo da importância da manutenção da funcionalidade do psoas para um corpo íntegro e saudável, uma ótima ferramenta para vocêé a prática do LPF.


O Low Pressure Fitness é um treinamento postural e respiratório que utiliza a aspiração diafragmática em sua prática . Através deste fundamento mobilizamos o diafragma torácico , e como já citamos neste artigo, existe uma comunicação do diafragma torácico com o psoas através do ligamento arqueado medial. Ou seja, ao realizar o vácuo abdominal, não estamos mobilizando apenas o diafragma , mas diversas estruturas que possuem relação direta com o mesmo, incluindo este importante músculo de difícil acesso para a maioria dos profissionais .

Normalize o Psoas com o LPF e proporcione respostas sistêmicas!


REFERÊNCIAS: